Empreendedora brasileira em Québec

Susana Ie é ex-aluna da unidade São Paulo da École Québec. Estudou francês conosco em 2008. Como ela tem uma empresa aberta na cidade de Québec há alguns anos, ficamos curiosos para saber como está sendo essa experiência e enchemos ela de perguntas.

Conta um pouco da sua vida no Brasil e da sua história de imigração.

Nasci e fui criada em São Paulo, na zona norte. Sou descendente de imigrantes japoneses originários da província de Okinawa. Fui feirante a minha vida toda no Brasil. Vendia pastéis nas feiras livres de São Paulo; cada dia ia trabalhar em um bairro diferente seja na Vila Guilherme, Vila Maria, Bom Retiro, Parada Inglesa ou no centro .
Sou a quarta filha de 4 filhos e nos criaram todos debaixo da banca de pastel. Trabalhávamos bastante. Éramos nós mesmos que fazíamos desde a massa até o recheio do pastel. Montávamos o pastel durante a madrugada e depois pela manhã íamos vender na feira. Tive uma infância dura e trabalhei muito, muito e muito! Meus irmãos saíram de casa e eu, como caçula, fiquei com a obrigação de cuidar dos meus pais. Não pude ir ao Japão, nem trabalhar fora de casa em escritório ou qualquer outro lugar. Levei a banca de pastel nas costas e cuidei dos meus pais que já eram idosos. Olhando para traz, posso afirmar que foi muito bom para eu crescer como pessoa e amolecer meu coração para a vida. Minha vontade de morar fora aumentou ao ver todos viajando e passeando quando eu tinha que ficar em casa fazendo massa de pastel e cuidando de tudo. Tanto que meu pai, antes de falecer, dizia que eu seria sua sucessora, que era uma menina guerreira que não conhecia a palavra preguiça. A banca continua no meu nome. É uma prima minha que cuida e deixo o lucro para a minha mãe.
Vim para Ville de Québec com meu marido no programa de trabalhador qualificado. Estudei 100 horas de francês na École Québec. Na época, minha filha mais velha tinha 2 anos e me arrastava para as aulas. Como acordava muito cedo e trabalhava muito, tinha que deixar minha filha com a minha mãe durante as aulas. Já exausta, não conseguia estudar muito. O francês veio quando já estava aqui, conversando na rua com as pessoas. Meu marido foi mais ousado. Chegou tirando sua carta de motorista. Hoje, ele tem  até a carta para dirigir moto que é bem difícil de conseguir aqui. Ele é analista de sistemas da área de TI e trabalha na Prefeitura da cidade de Québec.

No início, ele trabalhou no restaurante Cosmos até passar no concurso da prefeitura. Quando ele passou, fui trabalhar no lugar dele. Foi quando surgiu a ideia de abrir Cuisine du Brésil. Muitos brasileiros trabalham no Cosmos e eles me pediam para vender salgados dos quais sentiam saudade. Depois, até os vizinhos começaram a demonstrar interesse em comprar e o volume de vendas aumentou.

Os meus primeiros clientes foram a minha maior força de marketing. Eles elogiavam muito e de boca a boca fui vendendo e criando a minha boa moral de gostosuras, eficiência e bom atendimento.

E sobre a sua empresa, quais são os produtos ou serviços que você oferece? Em qual cidade você está? Tem funcionários? É sua principal fonte de renda? Como fazem os nossos leitores para entrar em contato e fazer um pedido?

Cuisine du Brésil foi oficialmente aberta em Dezembro de 2013 com o site de vendas online feita pelo meu marido que além de cuidar do site faz as entregas depois que ele chega da Prefeitura.  Esforçado, ele ainda entra em contato com os fornecedores de produtos brasileiros que também vendemos na loja online traduzida em inglês, francês e português.

Pasmem, não temos nenhum funcionário. Eu cozinho tudo sozinha, temos quatro filhos sendo que os dois últimos são gêmeos de um ano e quatro meses! Recebo clientes todos os dias, até de fim de semana. Abro meu jeitinho brasileiro para quem não consegue vir no horário comercial pois além das entregas temos a opção de retirada no local. Em casa, recebo todos os clientes com bolo, café, chá, etc.

Depois de quanto tempo no Québec, você conseguiu abrir a empresa?

Cheguei em Abril de 2010. Não pude trabalhar assim que cheguei pois estava com a minha filha de 2 anos e sem vaga na garderie (creche). Quando o Jeison passou na Prefeitura, parece que as coisas foram melhorando e até a vaga da garderie saiu. Em Novembro, comecei a trabalhar no restaurante e logo depois, engravidei da minha segunda filha. Como aqui não se pode trabalhar grávida em vários lugares como restaurantes, escolas e hospitais, fui afastada. Mesmo afastada, recebia um salário. Aqui, as crianças são o chuchu. Tem muitos incentivos para facilitar a vida familiar. Neste afastamento, como não podia trabalhar fora, acabei fazendo salgados para vender como autônoma. Ainda não tinha intenção de abrir uma empresa. Só decidi abrir a Cuisine mais tarde quando percebi que me separar das minhas filhas para ir trabalhar era muito difícil. Minha primeira filha, por exemplo, chorava dizendo que a gente só ia buscá-la a noite (aqui, escurece muito cedo no inverno).

Logo, quis fazer certinho; tudo legalizado. Consegui todas a informações nos sites do governo. No site do Ministério da Agricultura, Pescarias e Alimentação do Québec (MAPAQ), vi que era obrigatório fazer um curso de higiene, alimentação e manipulação de alimentos. Preenchi toda a papelada, paguei as taxas, fiz o curso e meu marido marcou o rendez-vous no MAPAQ. Só ia conseguir a licença quando aprovassem o local. Parece muito, mas é bem mais tranquilo que no Brasil onde é um parto. Aqui, as coisas realmente funcionam.

Pelo seu conhecimento, é mais fácil abrir no Brasil ou no Québec? Quais foram as maiores dificuldades e melhores facilidades?

No Brasil, o que eu via de facilidade, por exemplo no comércio, era que sempre conseguíamos vender todos os pastéis. Na minha época, na feira, não tinha horário certo como é hoje em dia. Às vezes, dava quase 4 da tarde e ainda estava esperando alguns últimos fregueses! Aqui, sinto falta desta esticada de horário já que tudo fecha mais cedo. Se acabam as embalagens no final de semana, por exemplo, só vou conseguir comprar mais na segunda seguinte. Muitas lojas não abrem de fim de semana. Tem que se programar melhor aqui.

Existe ajuda para montar o plano de negócios ou para conseguir um investimento inicial? Você usou algum serviço assim?

Sim, existe muita ajuda do governo para os iniciantes do comércio, coisa que admiro muito do Québec. Outra coisa que admiro é que mesmo com mais de 40 anos de idade, você ainda tem a possibilidade de mudar de área, sem problemas. Acho isso fantástico. Ainda mais para mim que trabalhei somente na área de alimentos. Às vezes, dá vontade de mudar de área. Mas todas vez, é a mesma coisa, quando penso em trocar, aparecem 4 ou 6 pedidos por dia e acabo brincando de comidinha.

Sobre imposto de renda? É complicado? É muito alto? Consegue comparar com o Brasil?

Aqui, os impostos são bem mais tranquilos de entender. No Brasil, é mais demorado, mais complicado. Aí, estou com pendências que até hoje não consegui resolver. Já fui correndo ao Brasil, aliás voando. Estou para receber restituição de 2011 ainda.

É fácil encontrar as informações necessárias sobre licenças de funcionamento, impostos, leis, etc.?

Sobre licença de funcionamento e impostos, é bem fácil aqui. É sempre chato preencher papelada, mas tendo a informação certa bem explicada nos sites do governo, tudo fica mais agradável.

E o futuro? Você tem alguns projetos novos ou planos de crescimento?

Recebi um e-mail alguns meses atrás de uma chance de abrir um Food Truck, mas sempre digo e repito que o meu trabalho não tem nenhuma ambição de aumentar ou ir para um lugar físico. O intuito da Cuisine não é enriquecer. É somente para eu conseguir trabalhar em casa e perto dos meus 4 filhos.

Já forneço as minhas massas de pastel para uma lanchonete nova que abriu em setembro aqui em Québec. Ainda, estou curtindo ser mãe de gêmeos, o que já me ocupa boa parte do tempo. Quero ter tempo para continuar sendo uma mãe carinhosa com meus 4 filhos e uma esposa dedicada.
Também tenho interesse em fazer mais cursos em outras áreas ou talvez na parte de doces, ou pães.

E pessoalmente, como você está? Quais aspectos da sua vida te confirmam que imigrar foi uma boa decisão para você e sua família? Quais são os aspectos mais difíceis ou o que você mais sente falta da sua vida no Brasil?

Na parte pessoal tudo só melhorou. Graças à Deus tenho mais liberdade, mais confiança em mim mesma. O Jeison também está ótimo. Estando longe, a família não te cobra tanto e não te dá tantos pitacos. Outro aspecto que gosto daqui é não ter que se preocupar com status e beleza, coisa que no Brasil me incomodava. Aqui, vejo que as pessoas são como eu. Vivem a sua própria vida e não se importam com os outros, acho magnífico!
O que sinto falta apesar de cozinhar boa parte da culinária brasileira é de comer pastel todos os dias. Aqui, só como quando tenho encomendas ou quando vem visitas. Nas encomendas acaba que não sobra, mas nas visitas, ai sim eu aproveito (risos).
Da família, eu sinto falta das festas que juntavam todos e tudo era curtido. Agora, as obrigações de ter que ir ou fazer por conta de ser família achava exaustivo. Tenho muitas saudades de estar perto da minha mãe, dos meus irmãos e sobrinhos. Sinto falta até do tacho quentíssimo de óleo fritando pastel ao som das músicas dos anos 80. Aqui também faço massa com música mas é um frio de “lascar”.

Para terminar, quais são suas principais dicas para imigrantes ou futuros imigrantes que querem empreender no Québec?

Minhas dicas para quem quer vir e empreender é que não se iludam achando que vão ganhar rios de dinheiro, não vão. Pelo menos aqui no Québec os impostos são bem altos, bem caro o custo de vida mas retorna tudo em educação, saúde e tal. Eu jamais conseguiria ter a qualidade de vida que tenho aqui, no Brasil, ainda mais com 4 filhos. Aqui como empreendedora autônoma, dá o meu horário, fechamos as portas, ou então se eu quero ficar 3 meses ou mais sem trabalhar eu só anuncio na página e no site que pararei nas datas seguintes e pronto. Agora se fosse loja física teria que seguir e cumprir com os horários de funcionamento do comércio.

Site para compras em 3 idiomas : cuisinedubresil.com ( português)
Informação Cuisine: info@cuisinedubresil.com
Telefone contato: 418 914 9488